segunda-feira, 29 de março de 2010

Aproveitando o ensejo da última postagem, quero comentar aqui sobre a real Santa Ceia, confesso que achei muitíssimo interessante e até um pouco engraçado quando vi li sobre os pratos da mesa; peixes e carne suína... Mas podemos encontrar na Palavra de Deus, que é nossa única luz da verdade, como era a Páscoa, sua instuição original, e como foi a Santa Ceia de Jesus. Corramos para Êxodo 12, onde a festa da Páscoa seria celebrada no primeiro mês do ano, pois foi onde começou a contagem do tempo, um novo tempo para o povo de Deus, tempo da liberdade retomada, depois de tanto tempo na terra do Egito, 'do meio do forno de ferro' (I Reis 8:51) haveriam finalmente de sair pelas graças de Deus; deveria-se comer um carneiro -ou cabrito-, cada família, mas se a familia fosse pequenina, poderia ser dividido com outra familia, porque ele deveria ser consumido em um dia, não poderia ser deixado para o outro, mas o pequeno animal deveria ser macho, de um ano e sem mácula, deveria ser comido com calma -Êx 12:11-, o seu sangue deveria ser espargido nos batentes das portas, de modo que fosse um sinal da segunça em Deus para que a morte não visitasse aquele lar. Por sete dias não deveria haver fermento algum nas casas, de modo que só haveria de se comer pães asmos. Bem, isso parece ser uma celebração um tanto estranha, não é? Mas mais estranho que coelho ter um ovo de chocolate não é, não! Porque as coisas de Deus tem uma explicação racional, Suas ordens e preceitos são todos explicados em Sua Palavra para que não haja dúvidas.
A Páscoa significa liberdade, nós, sendo o Seu povo escolhido, saimos da antiga vida de escravidão e tristeza, mas para tal, contava-se com a morte de um Cordeirinho, imaculado, sem pecados, perfeito, Isaías nos mostra isso claramente, no capítulo 53, aquele cordeirinho que era sacrificado pelos hebreus levava sobre si o pecado deles, e ao ser morto, retirava de mareira simbólica o fardo de pecado que eles traziam, assim Cristo, 'como um cordeiro foi levado ao matadouro, não abriu a boca, sendo feirdo pelas nossas transgressões, e nossas dores levou sobre si, ferido de Deus e oprimido' (Isaías 53), somente o responsável pelo ser humano é que poderia tirar o pecado do mundo. Jesus não pecou, por isso era sem defeitos, defeitos que nós temos, temos por tantas vezes não nos submetermos a Deus, inflamos nosso ego, somos cheios de nós mesmos, crescemos o peito para dizer o que somos ou o que queremos, da mesma forma que o pão cresce por ter o fermento, este significa pecado, por isso Deus instruiu para que não colocassem fermento nos pães, este é o corpo de Cristo, não pode haver nele sinal algum de pecado, da mesma forma, você acha que poderia haver fermento no sangue de Cristo? "Depois de cear, [Jesus] tomou o cálice, dizendo: Este cálice é o Novo Testamento no Meu sangue; fazei isto, todas as vezes que beberdes, em memória de Mim" (I Co 11:25), não, era o suco da vide puro, sem mácula, representando o Cordeiro do Senhor. Bem, a salvação em Jesus é suficiente para todos, Deus é equilíbrio, de forma que não poderia sobrar para o outro dia, Ele deveria fazer tudo de uma vez, assim pode descansar no Seu santo dia, mas Ele foi 'consumido com calma', pois "todavia, ao Senhor agradou moê-Lo, fazendo O enfermar; quando a Sua alma se puser por expiação ao pecado" (Isaías 53:10), não pense que Deus ficou feliz ao ver Seu Filho morrer, mas ao pensar que isso abriria portas para que nós nos salvássemos, Ele conseguiu abrir um sorriso em meio a lágrimas, Ele levou sobre si a morte eterna que nos esperava, agradável confiança sentiam Seus servos antes de Sua vinda, agora, que está consumado, podemos ter a feliz certeza de que Ele nos ama e está de braços abertos te esperando, com tudo o que você tem, seus defeitos, seus pecados, seus pensamentos e mesmo sua raiva e sua dor, venha, Ele ainda está com os braços abertos para você!

Um comentário:

Iranise disse...

Estava inspirada em nina...